A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR

Rafaela Fraga, Luzianne dos Santos, Vera Maria dos Santos

Resumo


O presente artigo é fruto de discussões realizadas na disciplina Deficiência Visual e Motora: estratégias educacionais para o trabalho de inclusão do curso de Pós-graduação Psicopedagogia e Educação inclusiva da Universidade Tiradentes/SE. O objetivo geral foi verificar como se dá a inclusão de alunos com Deficiência Visual no ensino regular e os objetivos específicos foram caracterizar as dificuldades enfrentadas pelos professores e alunos no processo de inclusão de portadores de Deficiência Visual no âmbito escolar regular e analisar as estratégias de ensino utilizadas por professores e gestores para a inclusão desses alunos. Metodologicamente optou-se pela pesquisa bibliográfica e pela entrevista semiestruturada com professores de uma instituição da Rede Pública ensino, localizada no município de Aracaju, em Sergipe. A partir da pesquisa bibliográfica e das entrevistas realizadas, foi possível entender que a inclusão escolar deve ter como ponto principal o coletivo - escola/família/professor - trabalhando juntos. Para isso, percebe-se a necessidade da criação de mecanismos que auxiliem os professores e que os qualifique para lidar com alunos especiais dentro de sala de aula, motivando a construção de novas metodologias e técnicas pedagógicas que possibilitem a inclusão e que possam atender as necessidades de todos os alunos.


Palavras-chave


Inclusão; Ensino Regular; Deficiência Visual; Ensino, Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Márcia Camila Souza de. Afetividade na educação infantil. In: Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2012) n.º 7 p. 1 – 7. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/336599528/afetividade-educacao-infantil-pdf. Acesso em: 27 jan. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 29 ago. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Brasília-DF, 1996. Disponível em: Acesso em: 02 jan. 2020.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

BUSCAGLIA, Leo. Os deficientes e seus pais: um desafio ao aconselhamento. Rio de Janeiro: Record, 1993.

OLIVEIRA, Ana Lúcia de. O processo de formação da identidade do aluno com baixa visão. Secretaria de Estado da Educação: Curitiba, 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1375-6.pdf. Acesso em: 19 fev. 2020.

SÁ, Elizabet Dias de. CAMPOS; Izilda Maria de. SILVA; Myriam Beatriz Campolina. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. Gráfica e Editora Cromos: Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf. Acesso em: 09 jul. 2020.

SILVA, Ana Paula Mesquita da. ARRUDA, Aparecida Luvizotto Medina Martins. O Papel do Professor Diante da Inclusão Escolar. Revista eletrônica saberes da educação, V. 5, nº 1, 2014.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.