FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E A INCLUSÃO: COMO UTILIZAR A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA COM ALUNOS AUTISTAS

Rozevania Valadares de Meneses César

Resumo


Com um mercado de trabalho cada vez mais competitivo é imprescindível que os professores busquem um diferencial para atuar no contexto da sala de aula. Nesse sentido, a formação continuada é uma oportunidade de melhoria da sua práxis. Assim, o presente artigo pretende compreender como a formação continuada de professores pode ajudar no processo de inclusão dos alunos portadores de autismo a partir da comunicação alternativa. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, a partir de teóricos que discutem a temática, além de leis e de decretos com abordagem qualitativa. Os resultados mostraram que, embora a formação continuada de professores tenha avançado, muito ainda precisa ser feito para que o processo de inclusão de fato aconteça.

 


Palavras-chave


Formação continuada; Inclusão; comunicação alternativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU. Léa das Graças Camargos; ALVES. L. P. (Org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 5. ed. Joinville, 2009.

BOONE, D. R.; PLANTE, E. Comunicação Humana e Seus Distúrbios. [tradução de Sandra Costa]. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

BRASIL. Ministério da Ação Social. Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília, DF: CORDE, 1997.

COOK, A.; HUSSEY, J. Assistive Tecnologies: Principles and Pratice. Mosby-Year Book, USA: Missouri, 1995.

CRESWELL, J. W. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

FACION, J. R. Inclusão escolar e suas implicações. 2. ed. Curitiba: IBPEX, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184p.

IMBERNÒN, F. Formação docente e profissional: forma-se para mudança e a certeza. São Paulo: Cortez, 2001.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LIMA PA. Educação Inclusiva e igualdade social. São Paulo; AVERCAMP, 2002.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. A Integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon. Editora SENAC, 1997.

MANTOAN, Maria Tereza Eglér. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

PIMENTA, S.; ANASTASIOU, L. Docência na Educação Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

ROMANOWSKI, Joana Paulin. Formação e Profissionalização docente. Curitiba: Ibpex, 2007. LOIOLA, Rita. Formação continuada. Revista nova escola. São Paulo: Editora Abril. nº: 222.p.89, maio 2009.

SANTOS, Ana Maria Tarcitano. Autismo: um desafio na alfabetização e no convívio escolar. São Paulo: CRDA, 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

VALDEZ, D. As relações interpessoais e a Teoria da Mente no contexto educativo. Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, Artmed, ano VI, v.23, set/out 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.