ENTRE VIVÊNCIAS E SABERES NUMA MARÉ DE SINGULARIDADES: NARRATIVAS DOCENTES EM DIÁLOGO COM PAULO FREIRE

Ana Clara Frey de S. Thiago

Resumo


Ao longo da trajetória docente nos sentimos desafiados a vivenciar com equilíbrio as ‘práticasteorias’ das quais nos constituímos. Este artigo tem por objetivo trazer algumas dessas experiências do aprenderensinar’ tendo em vista à compreensão e ressignificação das práticas educativas. As opções epistemológicas aqui preteridas buscam inspiração nos princípios da multirreferencialidade (Ardoino, 1998; Macedo; Barbosa, 2012); na pesquisa com os cotidianos e os movimentos necessários (Certeau, 2013; Andrade, Caldas e Alves, 2019) através das ‘conversas’ como principal forma de produção de ‘conhecimentossignificações’. Nesse sentido, apresentam-se narrativas de uma docente que inserida na periferia do Complexo da Maré buscar desvelar olhares sensíveis às singularidades, no diálogo constante com os escritos de Paulo Freire por meio do engajamento necessário de um trilhar autorreflexivo.


Palavras-chave


Narrativas docentes; Periferias e diversidade; Práxis educativa;

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Nívea; CALDAS, Alessandra N.; ALVES, N. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos - 'após muitas conversas acerca deles'. In: Oliveira Inês; Peixoto, Leonardo; Süssekind, Maria. Luiza. (Orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019, p. 19-45.

BARBOSA, Joaquim. G.; MACEDO, Roberto. S.; BORBA, Sérgio. Jacques Ardoino & a educação. Belo Horizonte Autêntica, 2012.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. História do menino que lia o mundo. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

CALLAI, Helena. Aprendendo a ler o mundo: a geografia nos anos iniciais do ensino fundamental. Caderno Cedes. Campinas, 2005, v. 25, n. 66, p. 227-247.

CETIC.BR. Pesquisa TIC Educação 2019. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2019. Disponível em: Acessado em: 15 de janeiro de 2021.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51 Ed. São Paulo: Cortez, 2011a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 17ª ed., 2011b.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 56ª ed., 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2015.

GADOTTI, Moacir (org). Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez/IPF, 1996.

GARCIA, Regina Leite e ALVES, Nilda. CONVERSA SOBRE PESQUISA. In: Professora Pesquisadora: uma práxis em construção. Org. Maria Teresa Esteban e Edwiges Zaccur. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

JESUS, Carolina. Maria. Quarto de despejo: diário de uma favelada. 8ª ed.. São Paulo: Ática, 2001.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras, 2019.

LACERDA, Nathercia. A casa e o mundo lá fora: cartas de Paulo Freire para Nathercinha. Rio de Janeiro: Zit, 2016.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita. 15a ed. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2014.

POMBO, Surya. DIAS, Amália. Não-brancos (as) e periféricos (as): histórias da docência no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 2020, v. 25.

SANTOS, Boaventura S. A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Boitempo, 2020.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina, PI: EDUFPI, 2019.

SERPA, Andréa. Conversas: Caminhos da Pesquisa com o Cotidiano. Texto integrante da tese de doutorado: Quem são os outros na/da avaliação defendida em Nov. 2010. p.1-25. Disponível em: Acessado em: 25/01/2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.