PRÁTICAS DE EMPODERAMENTO NA CONSTITUIÇÃO DE PESSOAS SURDAS

Rachel Colacique, Mirian Maia do Amaral, Rosemary Santos

Resumo


Neste artigo, objetivamos compreender os usos que a comunidade surda faz das redes sociais para dar visibilidade as suas ideias, experiências e narrativas, com vistas a sua inclusão no cenário contemporâneo.  Nesse contexto, apresentamos práticas de empoderamento utilizadas pelos surdos na constituição de suas identidades. Para tanto, bricolamos os princípios da multirreferencialidade com a abordagem da pesquisa com os cotidianos e, junto com os nossos praticantes, vivenciamos diversas práticas e acontecimentos que potencializaram suas produções, tanto em seus aspectos linguísticos quanto culturais, mobilizando saberes e fomentando aprendizagens. Desse modo, pudemos perceber uma contribuição significativa do digital em rede para as línguas de sinais e as comunidades de surdos ao redor do mundo.


Palavras-chave


Cibercultura; cotidianos; multirreferencialidade; visualidades; empoderamento surdo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Políticas e cotidianos em redes educativas e em escolas. XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino – ENDIPE/UNICAMP – Campinas, 2012.

ANDRADE, Nívea; CALDAS, Alessandra Nunes; ALVES, Nilda. In OLIVEIRA, Inês Barbosa de; SUSSUKIND, Maria Luiza; PEIXOTO, Leonardo (Orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente questões metodológicas, políticas e Epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019.

ARDOÍNO, Jacques. Pesquisa multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. In: Barbosa, Joaquim (Coord.). Multirreferencialidade nas ciências sociais e na educação. São Carlos: UFScar, 1998.

BAQUERO, Rute. Empoderamento: instrumento de emancipação social? Uma discussão conceitual. Revista Debates. Porto Alegre, jan.-abr. 2012, v. 6, nº 1, p.173-87. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/debates/article/viewFile/26722/17099. Acesso em 06 dez. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 20ª ed.. Vozes, 2013.

CANDAU, Vera Maria. Educação em Direitos Humanos: fundamentos teórico-metodológicos. 2009. Educação e Sociedade. Campinas, jan./mar. 2012, v.33, nº118. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302012000100015. Acesso em: 06 dez. 2018.

CROMACK, Eliane Maria Polidoro da Costa. Identidade, cultura surda e produção de subjetividades e educação: atravessamentos e implicações sociais. Psicologia: Ciência e Profissão, dez. 2004, [sol.], v. 24, nº 4, p. 68-77. FapUNIFESP (SciELO). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932004000400009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000400009. Acesso em: 24 out. 2018.

FONSECA, Lucas Milhomens. Ciberativismo na Amazônia: os desafios da militância digital na floresta. In: Silveira, Braga, P. (Org.). Cultura, politica e ativismo nas redes digitais. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2014.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GOHN, Maria da Glória. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Revista Saúde e Sociedade, maio/ago. 2004, v.13, n. 2, p.20-31.

LISBOA, Teresa Kleba. O empoderamento como estratégia de inclusão das mulheres nas políticas sociais. Anais do SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO: CORPO, VIOLÊNCIA E PODER. Florianópolis, SC, Brasil, 2008.

MACEDO, Roberto Sidnei. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador: EDUFBA, 2016.

MACEDO, Roberto Sidnei. Formação de professores, educação online e democratização do acesso às redes. Live. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UD0KrPkHBiY. Webconferência, 21.05.2020. FEUFF.

PERLIN, Gládis Teresinha Taschetto. O ser e o estar sendo surdos: alteridade, diferença e identidade. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. EDUFPI, 2019. Disponível em: http://www.edmeasantos.pro.br/assets/livros/Livro%20PESQUISA-FORMA%C3%87%C3%83O%20NA%20CIBERCULTURA_E-BOOK.pdf. http://www.edmeasantos.pro.br/assets/livros/Livro%20PESQUISA. Acesso em 24 mai. 2020.

AUTOR 3 (autoria cega)

SKLIAR, Carlos. Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In: SKLIAR, C. (Org.). Educação e exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. Porto Alegre: Mediação, 1997, p. 105-153. (Cadernos de autoria, 2).

SOARES, Maria da Conceição Silva; RANGEL, Vanessa Maia Barbosa de Paiva. A mídia como geradora de identidade e história. II ENCONTRO NACIONAL DA REDE ALFREDO DE CARVALHO. GT História do Jornalismo. Florianópolis, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.