MULTILETRAMENTO NA PANDEMIA: UMA AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES SOBRE AS AULAS ONLINE

Arisnaldo Adriano da Cunha

Resumo


O objetivo principal do artigo é apresentar a avaliação dos estudantes sobre as aulas online, no contexto da pandemia do Covid-19. A pesquisa foi realizada em dois momentos e com objetivos diferentes: identificar diagnóstico e posteriormente oportunidades de autoria e multiletramento na execução de intervenções ou atividades guiadas de aprendizagem. A metodologia utilizada foi a pesquisa ação, com instrumento de coleta de informações através de questionários (abertos e fechados), com conteúdos elaborados (roteiros, gravações, edições para áudios e vídeos) e produções de texto. Para a análise dos dados foi utilizado indicadores e métricas para a identificação de multiletramentos e autorias. Algumas dificuldades foram diagnosticadas, como a falta de uma rotina de estudos, compreensão e excesso de atividades, problemas com internet e a facilidade de copiar e colar. Porém, houve intervenções pedagógicas adequadas que favoreceram o aprendizado em aulas online, como a construção de produtos multimodais mais instigantes e criativos, como também  a capacidade de usar o que foi aprendido de novos modos.


Palavras-chave


Aprendizagem; autorias; multiletramentos; internet; dificuldades.

Texto completo:

PDF

Referências


BACCEGA, Maria, A. Comunicação/educação e a construção de nova variável histórica (in) CITELLI, Adílson O; COSTA,Maria C.C. Educomunicação: construindo uma nova área de conhecimento. 2 ed São Paulo: Paulinas,2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 20 de Julho de 2020.

DEMO, Pedro. Aprender como autor. São Paulo: Atlas S.A, 2015.

¬¬_____, Pedro. Educação hoje: “Novas” Tecnologias, Pressões e Oportunidades. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

JENKINS, Henry; GREEN, Joshua; FORD, Sam. Cultura da conexão – criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Editora Aleph, 2014.

ROJO, Roxane; MOURA,Eduardo. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SANTOS, E. & AMARAL, M.M. Autorias em redes: uma experiência de pesquisa-formação na cibercultura. In: LEONEL, A.A; MARCON,K. & ALVES,D.R.M. Reflexões e Práticas na EaD. (p.116-232). 2016. Rio de Janeiro: Letra Capital. Disponível em: . Acesso em 20 e julho de 2020.

SILVA, Sala de aula interativa. 4.ed.Rio de Janeiro: Quartet,2006.

SOARES, Ismar O. Educomunicação: um campo de mediações (in) CITELLI, Adílson O; COSTA,Maria C.C. Educomunicação: construindo uma nova área de conhecimento. 2 ed São Paulo: Paulinas,2011.

TRIPP, David. Pesquisa ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf. Acesso em 19 julho 2020.

VELOSO, Maristela S.A; BONILLA,M.S & PRETTO, Nelson. A Cultura da Liberdade de Criação e o Cerceamento Tecnológico e Normativo: Potencialidades para a Autoria na Educação. ETD – Educ. Temat. Digit. Campinas, v.18 n.1 p. 43-59 jan./abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 julho 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.