O ensino de Língua Portuguesa a partir da perspectiva defendida por Irandé Antunes: reflexões sobre a percepção dos professores em formação

PAULA CRISTINA ARAÚJO, ANA MÁRCIA DOS SANTOS HONORATO DA SILVA, GEAM KARLO GOMES

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido a partir de atividades realizadas durante a monitoria do componente curricular: Conteúdos e Metodologia em Língua Portuguesa, em uma universidade pública do Nordeste brasileiro e tem como objetivo analisar a percepção de graduandos em pedagogia sobre o ensino de Língua Portuguesa a partir da perspectiva defendida por Irandé Antunes. Como metodologia, utilizamos a abordagem qualitativa por meio de estudo de caso, que possibilitou que os estudantes de graduação em pedagogia produzissem um texto a partir da leitura da obra Aula de Português: encontro e interação (2003), escolhidas aleatoriamente a partir da técnica do liquidificador. Para a obtenção dos resultados foram analisadas as produções de alguns desses estudantes referentes às obras da autora, a fim de identificar o que esses professores em formação compreendem sobre o ensino de Língua Portuguesa no contexto do ensino fundamental. Nesse sentido, foi possível observar que os discentes demonstram a necessidade de uma prática reflexiva, evidenciando a importância do professor pesquisador na sala de aula, como também, uma prática pedagógica que enfatize o uso social da linguagem.

Palavras-chave


Ensino de Língua Portuguesa. Ensino Fundamental. Formação de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé. Território das palavras: estudo do léxico em sala de aula. São Paulo: Parábola, 2014.

_____. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2010.

_____. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

_____. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

_____. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola, 2007.

ANDREOLA, Balduíno A. Dinâmica de grupo. Jogo da vida e Didática do Futuro. Petrópolis: Vozes, 2002.

BRANDÃO, Carolina Ana e LEAL, Telma Ferraz. Produção de textos na escola : reflexões e práticas no Ensino Fundamental. 1ed., 1 REIMP.— Belo Horizonte : Autêntica , 2007.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). . Ensino Fundamental. Terceiro e quarto ciclo. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 68. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz & Terra, 2019.

GERALDI, João Wanderley (Org.) O texto na sala de aula. 1. ed. São Paulo: Anglo, 2012.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INDICADOR Nacional de Alfabetismo Funcional. INAF 2001: INAF 2001 Relatório disponibilizado para a imprensa. 2018.

MACHADO, Ana Raquel. Diários de Leituras: a construção de diferentes diálogos na sala de aula. Revista Linha D’água.

MARCUSHI, Luiz Antônio. Produção Textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

SILVA, M. C.; SOUSA, A. P. Diário de leitura: instrumento didático para formação do estudante leitor. Revista Práticas de Linguagem, v. 3, n. 2, p. 19-29, 2013.

YIN, Robert K. Estudo de caso – planejamento e métodos. (2Ed.). Porto Alegre: Bookman. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Simpósio Internacional de Educação e Comunicação - SIMEDUC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.