FILHOS DE MARIA: VÍTIMAS INVISÍVEIS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER

Autores

  • Clarissa Pereira Soares UNIT -Centro Universitário Tiradentes / AL

Palavras-chave:

Filhos, Mulheres, Rede de Proteção

Resumo

RESUMO:O presente estudo debruça-se sobre a problemática da violência doméstica e intrafamiliar contra a mulher com foco nas consequências desta na vida das suas vítimas invisíveis, os filhos das mulheres violentadas. A fim de compreender os efeitos desta violência, é necessário refletir acerca da Transmissão Intergeracional da Violência Doméstica (TIVD) e da vulnerabilidade física e emocional dos infantoadolescentes inseridos em relações familiares em que há casos de agressões físicas ou verbais perpetradas pelos companheiros de suas mães. A família como local de formação do indivíduo, muitas vezes, tem sido espaço de dor e sofrimento para os que vivenciam de forma silenciosa essa problemática, que pode gerar distúrbios psicossociais com potencial de ferir de forma permanente o desenvolvimento de crianças e adolescentes. O estudo tem como objetivo analisar a existência e o funcionamento de uma rede de amparo e proteção para crianças e adolescentes expostos à violência doméstica intrafamiliar, como também os meios disponíveis para o atendimento dessas vítimas. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, com uso da estatística descritiva e de dados secundários acessados por meio dos bancos de dados das instituições que prestam assistência às vítimas de violência doméstica em Maceió (AL). Ademais, soma-se o depoimento oral de um indivíduo com o fim de conhecer a experiência de uma vítima invisível que foi exposta a eventos violentos entre seus pais, utilizando-se do método da história oral. O referencial teórico da pesquisa foi estruturado de forma a demonstrar a necessidade de proteção das mulheres que são vítimas diretas e de ampliar a proteção e atenção que essa mulher (e mãe) recebe das leis e políticas públicas aos seus filhos. No que se refere à luta das mulheres por uma vida mais igualitária, foram abordadas as teorias e ensinamentos de Saffioti (2001); Scott (1995); Beauvoir (1967,1970) e Butler (2018), relevantes pesquisadoras que entendem a luta como estratégia para a consolidação da justiça e da igualdade, assim como compreender a raiz da violência para, enfim, erradicá-la.

Quanto aos direitos e às necessidades das crianças e a trajetória percorrida para sair da invisibilidade e do universo que as colocavam como sujeitos despossuídos de direitos à condição de cidadãos, foram estudadas Pereira (2000); Rizzini e Pilotti (2009); e Veronese (2013, 2017). Os resultados, até aqui encontrados, demonstram que a vulnerabilidade de crianças expostas a episódios violentos, em suas famílias, é capaz de torná-las perpetuadoras dessa violência por intermédio da repetição dos comportamentos apreendidos. Além disso, em função dos estudos (em andamento) realizados na rede (em andamento), percebe-se que não há interlocução entre os Órgãos do Sistema de Proteção à Mulher e os Órgãos de Proteção à Criança e Adolescentes em Maceió (AL).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa Pereira Soares, UNIT -Centro Universitário Tiradentes / AL

Programa de pos graduação em Sociedade Tecnologias e Políticas Públicas - SOTEPP - UNIT/AL

Referências

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: A experiência vivida. 2. Ed. Rio de Janeiro: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. 4. Ed. Rio de Janeiro: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BUTLER, J. P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato

Aguiar. 16. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

PEREIRA, Tânia da Silva. O melhor interesse da criança. In: PEREIRA, Tânia da Silva (Org.). O melhor interesse da criança: um debate interdisciplinar. Rio de Janeiro: Renovar, 2000.

SAFFIOTI, Heleieth; ALMEIDA, Suely Souza de. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Revinter, 1995.

RIZZINI, Irene; BARKER, Gary; CASSANIGA, Neide. Criança não é risco, é oportunidade: fortalecendo as bases de apoio familiares e comunitárias para crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Instituto Promundo, 2000.

RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: <https://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/71721/40667>. Acesso em: 20 jan. 2020.

VERONESE, Josiane Rose Petry. A proteção integral da criança e do adolescente no Direito brasileiro. Rev. TST, Brasília, v. 79, n. 1, jan./mar. 2013. Disponível em: <https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/38644/003_veronese.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 20 jan. 2020.

VERONESE, Josiane Rose Petry (Org.). Direito da Criança e do Adolescente: novo curso – novos temas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

Soares, C. P. (2020). FILHOS DE MARIA: VÍTIMAS INVISÍVEIS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER. SEMPESq - Semana De Pesquisa Da Unit - Alagoas, (8). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/al_sempesq/article/view/13962

Edição

Seção

Seminário Interdisciplinar de Pós-graduação da Unit