TENDÊNCIA TEMPORAL DOS ÓBITOS POR IAM EM SERGIPE DE 2000 A 2015

JOSEVAN CONCEICAO SANTOS, Victor Levi Rocha Rodrigues, Felipe Souza Nery

Resumo


O panorama epidemiológico mundial demonstra um crescimento ascendente das doenças do aparelho cardiocirculatório, das quais se destaca o Infarto Agudo do Miocárdio, tanto pelo seu crescente número, quanto pela magnitude de suas consequências. Essa condição se define pela ausência de fluxo sanguíneo a uma determinada extensão do músculo cardíaco decorrente da obstrução de uma ou mais artérias coronárias, acarretando na morte das células cardíacas musculares. Mediante a importância da temática abordada, o estudo em questão objetiva avaliar a tendência temporal de óbitos por IAM no estado de Sergipe entre os anos de 2000 a 2015. Trata-se de um estudo ecológico de série temporal com base em dados do SIM/DATASUS referentes aos óbitos por IAM. Observou-se o crescimento alarmante dos óbitos decorrente dessa patologia, independente de sexo.


Palavras-chave


Infarto Agudo do Miocárdio; Mortalidade; Estudos de Séries Temporais

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (Brasil). Pesquisa Nacional de Saúde. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

FEIJÓ, I. P. et. al. Perfil clínico e resultados da intervenção coronária percutânea primária em pacientes jovens. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, v. 23, n. 1, p. 48-51, 2015.

FONSECA, A. M. Infarto agudo do miocárdio: Levantamento de sua ocorrência em homens atendidos de 2008-2012 em um serviço de urgência e emergência de Passos (MG). Ciência et Praxis., v. 6, n. 12, 2013.

HUGUENIN et al. Caracterização dos Padrões de Variação dos Cuidados de Saúde a Partir dos Gastos com Internações por Infarto Agudo do Miocárdio no Sistema Único de Saúde. Rev. bras. epidemiol., v. 19, n. 02, abr./jun. 2016.

LINS, E. M. et al. Infarto agudo do miocárdio em pacientes portadores de isquemia crítica submetidos a revascularização de membros inferiores. Vasc Bras., v. 12, n. 4, p. 284-288, out./dez., 2013.

MANSUR, A. DE P.; FAVARATO, D. Trends in Mortality Rate from Cardiovascular Disease in Brazil, 1980-2012. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2016.

MAIER, G. S. O; MARTINS, E. A. P. Assistência ao paciente com síndrome coronariana aguda segundo indicadores de qualidade. Em: Ver. Bras. Enferm., 2016.

MERTINS, S. M. et al. Prevalência de Fatores de Risco em Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio. Av. Enferm., v. 34, n. 1, p. 30-38. 2016.

PIUVEZAM, G. et al. Mortalidade em Idosos por Doenças Cardiovasculares: Análise Comparativa de Dois Quinquênios. Arq Bras Cardiol. v. 105, n. 4, p. 371-380. 2015.

SCHMIDT, M. M. et al. Prevalência, etiologia e características dos pacientes com infarto agudo do miocárdio tipo 2. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, v. 23, n. 2, p. 119–123, abr. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.