CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE INTERNAMENTO POR ABORTO ESPONTÂNEO EM ARACAJU/SE DURANTE OS ANOS DE 2015 A 2017

Cléverton de Jesus da Paixão, Marcos Rodrigues Santos, Luiz Eduardo Rezende Silva, Shirley Dósea dos Santos Naziazeno

Resumo


INTRODUÇÃO: Constituindo um grande problema de saúde pública e que acarreta diversas consequências para saúde da mulher e sua qualidade de vida, o aborto espontâneo é definido como a expulsão natural do feto antes da vigésima semana de gestação e é considerado um período de alterações físicas e psicológicas vivenciadas por mulheres que necessitam de atenção dos profissionais de saúde, na qual a equipe de enfermagem é de suma importância por vivenciar e fornecer o cuidado, identificando as necessidades de cada paciente, com a finalidade de melhorar o aspecto biopsicossocial da mulher. OBJETIVO: identificar o perfil das pacientes internadas por aborto espontâneo. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo quantitativo e descritivo, com base em dados levantados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS) referentes as internações hospitalares, geral, por local de residência, no período de 2015 a 2017, em Aracaju. Para a classificação do aborto espontâneo, foi levada em consideração a lista de morbidade conforme o CID-10, capítulo XV – gravidez, parto e puerpério. Dentre a lista de morbidade CID-10 buscou-se por aborto espontâneo. Os dados obtidos foram sistematizados e analisados por faixa etária, raça/cor e ano de internamento, apresentados na forma de tabelas, criadas pelo programa da Microsoft Excel 2007. RESULTADOS: Dentre os resultados obtidos, o ano com maior número de internações foi em 2015, com 38,6%, a faixa etária predominante concentrou-se entre 20 e 29 anos (34,4%). De acordo com os achados raça/cor, as mulheres pardas apresentaram uma maior representatividade com 71,6%, seguido dos casos sem informação com 27,36%. CONCLUSÃO: Com base na análise dos dados encontrados, é notório perceber que este tipo de intercorrência acomete mais as mulheres pardas e em uma faixa etária de 20 a 29 anos, devido a inúmeros fatores psicológicos, sociais, econômicos, envolvendo o contexto familiar como um todo. Portanto, há necessidade de uma  maior atuação das estratégias de Saúde da Família com o objetivo de diminuir estes casos. Para tanto se faz necessário a execução de estudos mais complexos e aplicação de testes estatísticos para um aprofundamento das variáveis analisadas.


Palavras-chave


Aborto Espontâneo. Hospitalização. Gestantes

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil, Ministério da Saúde. DATASUS: Departamento de Informática do SUS. [Internet]. Brasília; 2018. [acesso em 2018 mar. 23]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/informacoes-de-saude/tabnet.

MONTEIRO, Mario Francisco Giani; ADESSE, Leila; DREZETT, Jefferson. Atualização das estimativas da magnitude do aborto induzido, taxas por mil mulheres e razões por 100 nascimentos vivos do aborto induzido por faixa etária e grandes regiões. Brasil, 1995 a 2013. Reprodução & Climatério, v. 30, n. 1, p. 11-18, 2015.

SOUZA, Lidia Dayse Araujo de et al. Mensuração dos níveis de resiliência de mulheres que sofreram aborto espontâneo. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.