Eensino de Primeiros Socorros em OVACE em Escola Particular do Interior de Sergipe: relato de experiência

Felipe Tavares de Andrade, Letícia dos Santos Andrade, Maria Eduarda dos Santos Neta, Philipe Marcel Aragão da Fonseca, Fernanda Gomes de Magalhães Soares Pinheiro

Resumo


INTRODUÇÃO: No ambiente escolar, os acidentes caracterizam-se como uma grande preocupação diária, fazendo-se necessário que haja, nas instituições, pessoas capacitadas em primeiros socorros. Pode-se entender primeiros socorros como todos os cuidados imediatos prestados a uma pessoa que apresente um estado físico de ameaça a vida, objetivando a manutenção das funções vitais, para que não haja nenhum agravamento até a chegada de uma assistência especializada. A obstrução das vias aéreas por corpo estranho (OVACE) é um dos eventos presentes nos mais diversos ambientes, inclusive o escolar, que necessita de primeiros socorros, sendo ocasionada pela aspiração acidental de corpos estranhos. A OVACE pode ser classificada de acordo com o grau de obstrução da via aérea em leve (obstrução parcial da via aérea) ou grave (obstrução total da via aérea). A manobra de Heimlich destina-se apenas às vítimas com grau de obstrução grave. No contexto escolar, as crianças estão expostas a diversos meios desencadeantes de OVACE e demais eventos que necessitam de primeiros socorros, fazendo-se necessário que o atendimento a essa criança seja imediato, e que pais, funcionários e professores de escolas e até mesmo os próprios estudantes sejam capacitados para agir diante das situações que impõem risco a vida. OBJETIVO: Disseminar o conhecimento sobre primeiros socorros a vítima de obstrução parcial e/ou total das vias aéreas para os estudantes e professores de uma escola particular do interior de Sergipe. METODOLOGIA: Realizou-se prática educativa de primeiros socorros em desobstrução das vias aéreas direcionada aos estudantes e professores de uma escola particular do interior de Sergipe. Obteve-se 104 participantes, destes 98 alunos do quinto ao nono ano do ensino fundamental, com idades entre 9 e 15 anos, e 06 professores. O encontro foi programado previamente junto à direção da escola e corpo docente, sendo executada no dia 23 de março de 2018, no turno matutino, com duração de 45 minutos. Utilizou-se metodologia teórico-prática, com palestra expositiva e aberta ao diálogo, uma vez que que a participação do público-alvo contribui e melhora a construção do conhecimento. Na parte prática, utilizou-se de simulação realística de obstrução parcial e total das vias aéreas no adulto e na criança, para a demonstração das manobras necessárias para a desobstrução das vias aéreas. Utilizou-se ainda de simuladores produzidos pelo autor, para a demonstração das técnicas de desobstrução em vítimas gestantes, obesas e inconscientes, bem como de boneca para a demonstração da técnica em crianças menores de um ano de idade. Realizou-se ainda a abertura de momento destinado à prática das manobras nos simuladores, tendo como praticantes os estudantes que se voluntariaram a praticar. RESULTADOS: Ao final, realizou-se perguntas sobre a temática, obtendo-se respostas corretas sobre as condutas diante de uma obstrução de via aérea. Durante a parte prática da atividade educativa, notou-se a capacidade de execução das técnicas de primeiros socorros em casos de OVACE. CONCLUSÃO: Conclui-se então, a partir da avaliação feita pelo público alvo e o desenvolvimento correto das técnicas de primeiros socorros em OVACE, que se alcançou o objetivo proposto, levando o conhecimento ao público-alvo.

Palavras-chave


Engasgo; Manobra de Heimlich; Primeiros socorros

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER KE, MOLINA FC, NUNES CB. Primeiros socorros nas escolas: opção ou necessidade? Universidade Luterana do Brasil, Cachoeira do Sul: 2017.

MEIRELES GOAB. A abordagem de primeiros socorros realizada pelos professores em uma unidade de ensino estadual em Anápolis – GO. Ensaios Cienc., Cienc. Biol. Agrar. Saúde, v. 18, n. 1, p. 25-30, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Primeiros Socorros. Rio de Janeiro. Fundação Oswaldo Cruz, 2003.

MOTA LL, ANDRADE SR. Temas de atenção pré-hospitalar para informação de escolares: a perspectiva dos profissionais do Samu. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Jan-Mar; 24(1): 38-46.

BRASIL. Ministério da Saúde. SAMU. Protocolo SAMU 192. Brasília/ DF, 2014.

LEITE ACQB, FREITAS GB, MESQUITA MML, FRANÇA RRF, FERNANDES SCA. Primeiros socorros nas escolas. Rio Grande do Norte: Extendere, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.