A RELAÇÃO DA RAÇA/COR EM VÍTIMAS DE HOMICÍDIO EM SERGIPE NO ANO DE 2015

José Hunaldo de Oliveira Júnior, Ana Caroline Almeida do Nascimento, Jefferson Felipe Calazans Batista, Wolney Sandy Santos Lima, Márcio Lemos

Resumo


INTRODUÇÃO: As mortes por causas externas representam um problema de saúde e segurança pública, sendo considerado um grande desafio para o país. Por vezes esses homicídios estão relacionados a uma simples característica da vítima, a raça/cor. Este estudo tem como objetivo identificar, quantificar e analisar a taxa de homicídios em relação à raça/cor em Sergipe no ano de 2015. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo ecológico de caráter quantitativo descritivo, sendo utilizado dados do DataSUS e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. RESULTADOS: As mortes por causas externas determinaram perdas de 12.684 só nos quatros estados escolhidos para este estudo, sendo que as maiores vítimas desses homicídios foram da raça/cor parda, com 10.446 mortes. CONCLUSÃO: Os resultados mostraram que Sergipe é o estado mais violento entre os outros três elencados para este estudo e que a taxa de homicídio que predomina é a raça/cor parda.

Palavras-chave


Causas externas; Homicídio; Mortalidade; Violência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.