A PREVALÊNCIA DE ATOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER DENTRO DO ESTADO DE SERGIPE

Letícia Freire Gonzaga, Felipe da Cruz Lima, Letícia Aragão Andrade, Yasmin Almeida Lima, Daniele Martins de Lima Oliveira

Resumo


A desigualdade de gênero é um fenômeno que perdura há anos em nossa sociedade. Desde o início do século XX a luta pela igualdade de gênero entre as mulheres vem ganhando maior espaço nas relações sociais. Uma das formas extremas de insatisfação com essa igualdade de gênero é a violência. Tal qual, coloca o papel da mulher de forma frágil e como objeto de subordinação, afetando diretamente os mais diversos âmbitos da saúde feminina. No Brasil, diariamente cerca de 500 mulheres são vítimas de algum tipo de agressão a cada hora, sendo que desse total, apenas 11% procuram a delegacia da mulher para efetuar denúncia. Além disso, boa parte desses casos não são reconhecidos, por falta de preparo do profissional de saúde ao tentar buscar na vítima sintomas somente relacionados a patologias, tratando com invisibilidade as suas queixas principais. A violência física e sexual por parte dos parceiros é a que mais ocasiona denúncias e número de óbitos. Dentre os principais fatores que contribuem para o agravo dessa situação se encontra a baixa escolaridade da mulher, situação socioeconômica de baixa renda, e principalmente, o uso de drogas por parte dos seus parceiros. A maior parte das vítimas passam por essas situações em domicílio próprio, mas ficam em silêncio por medo.

Palavras-chave


Mulheres; Delitos Sexuais; Violência Doméstica.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.