PRÁTICAS, SABERES E INTERVENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DE MOSQUITOS VETORES ENTRE ESCOLARES DE MACEIÓ/AL

Karwhory Wallas Lins da Silva, Daniela Calumby de Souza Gomes, Janaila Cristina Braz da Silva, Jéssica Alves Silva Oliveira, Thiago José Matos Rocha

Resumo


No Estado de Alagoas diversos aspectos socioambientais favorecem a proliferação dos mosquitos vetores de Doenças Infecciosas e Parasitárias (DIPs). O trabalho buscou conhecer e intervir na saúde e meio ambiente da comunidade escolar contribuindo com a prevenção e combate de mosquitos vetores. Foi aplicado um questionário semi-estruturado sobre as doenças e seus mosquitos vetores. Posteriormente foram realizadas palestras e oficinas sobre as doenças. Foi constatado que 97,90% do lixo gerado nas residências dos alunos são levados ao aterro sanitário. Felizmente 39,86% acreditam que a casa limpa evita focos dos mosquitos e 98,60% que eliminar água parada é importante para combater os mosquitos. Durante a intervenção, os estudantes se demonstraram interessados e interativos para aprender mais sobre as doenças e os mosquitos. Os alunos sabem da importância e também sabem como evitar a proliferação dos mosquitos vetores. Logo, eles podem ser reprodutores e multiplicadores de práticas de saúde e ambientais.


Palavras-chave


Infecções por arbovírus; Doenças parasitárias; Dípteros; Educação em Saúde; Educação ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. C. et al. Knowledge and practices related to dengue and its vector: a community-based study from Southeast Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 49, n. 2, p. 222-226, 2016.

BEINNER. M. A.; NORTON, R. C.; LAMOUNIER, J. A. Prevalência da infecção por parasitas intestinais em crianças pré-escolares de distritos rurais do município de Diamantina, Minas Gerais. Revista Médica Minas Gerais, Diamantina, v. 16, n. 2, p. 84–87, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

OLIVEIRA, K. K. D.; FERNANDES, A. P. N. L.; MOURA, G. S. F. Perfil de morbidade por patologias infecto-contagiosas entre crianças de 0 a 12 anos. FiepBullein On-line, Mossoró, v. 82, p. 203-10, 2012.

PEDROSA, H. F. S. Avaliação do impacto da aplicação das diretrizes do planto diretor de Maceió sobre o escoamento superficial. 2008. 85 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2008.

RORIZ, P. A. C.; PERES, W. V.; RAMOS, R. R. Percepção de estudantes de 9º ano sobre dengue, zika e chikungunya. Nexus Revista de Extensão do IFAM, Manaus, v. 2, n. 2, p. 93-100, dez. 2016.

VALVERDE, R. Doenças negligenciadas. [online]. Rio de Janeiro. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.