SONO E ANSIEDADE NO CONTEXTO DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM: relação entre preferência circadiana, índice de estado ansioso e desempenho acadêmico

Victor Silva, Paula Thaís Sousa de Oliveira Cardoso, Ana Caroline Melo dos Santos

Resumo


A proposta dessa pesquisa foi quantificar e relacionar os diferentes cronotipos e níveis de ansiedade de estudantes do curso de enfermagem. Na amostra foi identificada uma média para estado ansioso de 45.08 (±4.9) e para traço ansioso de 40.17 (±3.8). Quando analisados isoladamente (p<0.05), foi constatada nos estudantes matutinos, uma média de 34.14 (±2.21) para estado ansioso, e nos estudantes vespertinos a média foi 55.31 (±5.17). Pode-se afirmar com essa pesquisa, a existência de uma relação entre o cronotipo e ansiedade na população investigada. Os estudantes de com maiores tendências vespertinas estão mais ansiosos do que os de tendências matutinas, fato que deve ser justificado pela intensa jornada acadêmica num horário em que padrões basais de ritmicidade biológica não estão adequados, gerando cronicamente distúrbios de sono, ansiedade e consequentemente, menor desempenho acadêmico se comparados aos estudantes mais matutinos.

Palavras-chave


Sono; Estudantes de Enfermagem; Cronotipo; Ansiedade

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, John Fontenele; MARQUES, Nelson. Cronobiologia: uma multidisciplinaridade necessária, São Paulo: Margem, 2002

BIAGGIO, A.M.B. & NATALICIO, L. Manual para Inventário de Ansiedade Traço – Estado (IDATE). Rio de Janeiro: Centro Editor de Psicologia Aplicada (CEPA), 1979.

Ceolim, M. F. & Menna-Barreto, L. Sleep/wake cycle and physical activity in healthy elderly people. Sleep Research Online, 3, 87-95., 2000.

CIPOLLA-NETO, J. Fisiologia do sistema de temporização circadiana. In: CIPOLA-NETO, J; MARQUES, N; MENNA-BARRETO, L.S. Introdução ao estudo da cronobiologia. São Paulo. Ícone, 1988.

CRUZ, C. M. V. M., PINTO, J. R. Ansiedade nos estudantes do Ensino Superior: um estudo com estudantes do 4º ano do curso de licenciatura em enfermagem da Escola Superior de Saúde de Viseu. São Paulo: Revista Millenium, 38, 223-242, 2010. GOMES, A. A., Tavares, J., & AZEVEDO, M. H. P. Hábitos de sono em universitários a estudar fora de casa. International Journal of Developmental and Educational Psychology, INFAD Revista de Psicologia, 1 (2), 253-260, 2008.

Horne, J. A., & Ostberg, O. A self-assessment questionnaire to determine morningness – eveningness in human circadian rhythms. International Journal of Chronobiology, 4, 97-110, 1976.

KOLB, B.; WHISHAW, I.Q. Neurociência do Comportamento. São Paulo: Manole, 2002.

Maluf, T. P. G. Avaliação de sintomas de depressão e ansiedade: uma amostra de familiares de usuário em um serviço assistencial para dependentes químicos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2002.

MARQUES, N; MENNA-BARRETO, L. Cronobiologia: princípios e aplicações. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.