A UTILIZAÇÃO DE GRUPOS EDUCATIVOS POR ENFERMEIROS NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES E PROMOÇÃO DA SAÚDE.

Thalisson Dheison Alves Cassia

Resumo


INTRODUÇÃO: Os grupos educativos são considerados ferramenta importante para a promoção da saúde e para educação em saúde levando ao conhecimento da população as informações referentes ao processo saúde-doença. Essas são consideradas ferramentas que favorecem a autonomia e proporcionam a valorização do sujeito e a troca de experiência. OBJETIVO: Buscar evidências científicas sobre a efetividade da utilização da estratégia de grupos educativos por enfermeiros na prevenção de doenças cardiovasculares. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão sistemática de ensaios clínicos aleatórios, seguindo os critérios da Colaboração Cochrane e Prisma-Statement. A estratégia de busca foi realizada adotando como critérios de elegibilidade artigos originais de livre acesso no Portal de Periódicos CAPES e disponíveis nas bases de dados SciELO, BIREME, BDENF. A busca dos estudos foi realizada entre janeiro e fevereiro de 2018, por meio do cruzamento dos descritores: Educação em Saúde, Prevenção, Enfermagem, Cardiopatias e o operador boleano. Foram encontradas 17 publicações no recorte temporal entre 2007 e 2018, sendo obtida uma amostra final de 9 artigos. RESULTADOS: Pode-se evidenciar que a educação em saúde quando incorporada a modalidade de grupos educativos consiste em um dos principais elementos da promoção da saúde, melhora da qualidade de vida e redução da mortalidade cardiovascular. As experiências educativas com usuários portadores de doenças cardiovasculares são pouco discutidas na literatura atual e em pequena medida se reportam à perspectiva de formação da consciência crítica sobre saúde. As ações de saúde coletivas têm se destacado no processo de trabalho do enfermeiro. Dessa forma esse profissional é considerado o principal agente nas atividades grupais. CONCLUSÃO: Este estudo mostrou a importância da educação em saúde utilizada pelo enfermeiro nos grupos educativos para a prevenção das doenças cardiovasculares. Para isso é necessário que aja planejamento, trabalho em equipe, atitudes focadas na criação e fortalecimento do vínculo usuário e profissional e na longitudinalidade da assistência.


Palavras-chave


Educação em Saúde. Cardiopatias. Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


BESERRA, E.P.; PINHEIRO, P.N.C; BARROSO, M.G.T. Ação educativa do enfermeiro na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis: uma investigação a partir das adolescentes. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. V.12, N.3, P.522-28. 2008.

CERVERA, D.P.P.; PERREIRA, B.D.M.; GOULART, B.F. Educação em saúde: percepção dos enfermeiros da atenção básica em Uberaba (MG). Caderno de Saúde Coletiva. V.28 N.8, P.14-19. 2016.

FAVARO, D. T.L.; SANTOS, M. L. S.G.; SASAKI, N.S. G. M. S.; SANTOS, L. H. R.S.; VENDRAMINI, S.H.F.; POMPEO, D. A. Grupos educativos para o controle de hipertensão e diabetes mellitus: revisão integrativa de literatura. Arquivos ciência da saúde. V.24, N.1. P. 23-26. 2017.

LUCCHESE, R.; VARGAS, L.S.; TEODORO, W.R.; SANTANA, L.K.B.; SANTANA FR. Operative group technology applied to tobacco control program. Nursing. V.22, N.56, P.918-26. 2013

MASCARENHAS, B.N.; MELO, C.M.M; FAGUNDES, N. C. Produção do conhecimento sobre promoção da saúde e prática da enfermeira na Atenção Primária. Revista Brasileira de Enfermagem. V. 65, N.6, P. 991-999. 2012.

MENEZES, K.K.P.; AVELINO, P.R. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Caderno de Saúde Coletiva. V.24 N.1, P.124-130. 2016.

SILVA, L.K.; SENA, R.R.; GRILLO, M.J.C. HORTA, N. C. Formação do enfermeiro: desafios para a promoção da saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. V.14, N.2, P.368-376. 2010.

TEIXEIRA, V.M.N.; MARQUES, R.C. Enfermeiros e saúde pública em Belo Horizonte: combatendo doenças e educando para a saúde (1897-1933). Educar em Revista. V. 5, N.54, P.37-54. 2014.

TOLEDO, M. M.; RODRIGUES, C. S.; CHIESA, A.M. Educação em saúde no enfrentamento da hipertensão arterial: uma nova ótica para um velho problema. Texto Contexto Enfermgem. V.16, N.2, P. 233-238. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.