CULTURA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM UMA MATERNIDADE DE RISCO HABITUAL: Análise da Percepção do Estresse

FERNANDA DE JESUS SANTOS, JAMYLLE CATARINA PASSOS CARREGOSA, ANNY CAROLINE SANTOS ALMEIDA, LUANA LIMA DE JESUS, HERTALINE MENEZES DO NASCIMENTO ROCHA

Resumo


INTRODUÇÃO: Algumas profissões, como as da área da saúde, são vistas como mais estressantes que outras. A precariedade nas condições de trabalho, carga de trabalho excessiva, longas jornadas, conflitos entre a equipe e o cansaço são considerados fatores desencadeadores do estresse. Diante disso, sabe-se que o estresse ocupacional é caracterizado por quatro fases: reação de alarme, resistência, quase-exaustão e exaustão. OBJETIVO: Compreender como os fatores estressores podem influenciar na execução do trabalho dos profissionais de saúde. METODOLOGIA: Estudo quantitativo, transversal e descritivo. A pesquisa foi realizada em uma maternidade filantrópica de pequeno porte localizada em um município do interior Sergipano. A amostra foi de 21 profissionais de saúde. Como instrumento para coleta de dados utilizou-se o Safety Attitudes Questionnaire (SAQ) para análise do domínio: Percepção do Estresse. Para efetivação deste estudo, foram respeitados todos os preceitos éticos determinados pela Resolução n. 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, por meio do cumprimento das exigências do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).  A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos da Universidade Federal de Sergipe (CEP-UFS) sob o parecer: 1.313.955. Os dados foram tabulados no Microsoft Office Excel (2010) e importados para o software IBM® SPSS - Statistical Package for the Social Sciences, versão 20 para Windows e analisados a partir de técnicas univariada e bivariada. RESULTADOS: Dos participantes da pesquisa, 95,2% era do sexo feminino. A média de idade entre eles foi de 34,7 anos. Quanto a categoria profissional técnicos de enfermagem representaram 61,9%, profissional de Enfermagem 23,8%. Em relação ao tempo de exercício profissional 61,9% dos competentes tinha um tempo de atuação de até 5 anos. No que concerne a percepção do estresse 85,7% afirmaram que a carga de trabalho excessiva prejudicava o desempenho laboral, 95,2% dos participantes alegaram ser menos eficiente no trabalho quando se sentem cansados. Além disso, 80,9% declararam que o cansaço prejudica o desempenho durante situações de emergência, enquanto 71,5% reiteraram haver uma maior probabilidade de cometer erros em situações tensas e hostis. De acordo com a avaliação do SAQ, observou-se que a Percepção do Estresse obteve média superior a 75 pontos, isto é, apresentaram uma avaliação positiva no escore do instrumento utilizado. CONCLUSÃO: Apesar do domínio Percepção do Estresse tenha atingido o escore necessário para a promoção de uma cultura de segurança do paciente positiva, elucidou aspectos importantes a serem trabalhados na instituição para que a qualidade da assistência esteja ligada diretamente com o grau de satisfação profissional dos envolvidos no processo.

 

Palavras-chave: Esgotamento Profissional. Assistência à Saúde. Saúde do Trabalhador. 


Palavras-chave


Esgotamento Profissional; Assistência à Saúde; Saúde do Trabalhador.

Texto completo:

PDF

Referências


LINCH, G.F.C; GUIDO, L.A; UMANN, J. Estresse e profissionais da saúde: produção do conhecimento no centro de ensino e pesquisas em enfermagem. Santa Maria, p. 542-547. 2010.

LIPP, M. E. N. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo, 76p. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.