COMPORTAMENTO TEMPORAL DA MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE EM SERGIPE DE 2010-2015.: Um estudo descritivo.

Lucas Correia Santos, Axcel Silva Alves, Elisiane Mendes Santana, Luiz Eduardo Rezende Lima, Márcio Lemos Coutinho

Resumo


Desde 1990, no Brasil, a mortalidade neonatal  constitui-se como  principal componente da mortalidade infantil, em 2010 foram registrados 11,2 óbitos por mil nascidos vivos grande parte destes ocorrendo no período neonatal precoce(0 -6 dias)(LANSKY., et al 2014). Mas, com a implantação do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento criado pelo Ministério da Saúde em 2000 houve uma notável redução na mortalidade infantil que não aconteceu de igual modo na mortalidade neonatal precoce, o objetivo deste estudo é através dos dados do DATASUS descrever o comportamento temporal da mortalidade neonatal precoce em Sergipe de 2010 à 2015. Os dados obtidos demonstraram uma linearidade no período de 2010-2012 com redução em 2013 que não se perdurou nos anos posteriores Isso chama a atenção para a necessidade de estudos mais específicos para: identificar as causas e avaliar eficácia das políticas reducionistas como a qualidade dos serviços prestados à mulher e  neonato.


Palavras-chave


Mortalidade Infantil; Mortalidade Neonatal; Taxa de Mortalidade Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa JTC, Vettori TNB, Saldanha BL, Rocha RM, Braga ALS, Andrade M. Sisprenatal como ferramenta facilitadora da assistência à gestante: Revisão Integrativa da Literatura. Revista de Atenção à Saúde, v. 12, no 42, out./dez. 2014, p.42-47.

Brasil. IBGE. Censo Demográfico, 2010.Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/panorama. Acesso em :22/03/2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório de Situação em Sergipe. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde.Brasília-DF;2009.

Ferraz DD, Rodrigues MS, Rodrigues TS, Lima AS. Atenção Pré-natal segundo indicadores de processo do SISPRENATAL através do programa de humanização do pré natal e Nascimento. Rev Enfermagem Revista, V.16.Nº02 Maio/Ago. 2013.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, Frias PG, Cavalcante RS, CunhaAJLA.Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S192-S207, 2014.

Silva CF, Leite AJM, Almeida NMGS, Leon ACMP, OlofinI. Fatores associados ao óbito neonatal de recém nascidos de alto risco: estudo multicêntrico em Unidades Neonatais de Alto Risco no Nordeste brasileiro.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(2):355-368, fev, 2014.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Filha MMT, Costa JV, Bastos MH, Leal MC.Assistência pré-natal no Brasil. Cad.Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S85-S100, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.