COMPORTAMENTO TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE MATERNA POR CAUSAS DIRETAS E INDIRETAS EM SERGIPE NO PERÍODO DE 2005 A 2015: Um estudo descritivo.

Matheus Correia Santos, Alyny Leal Santos, Flávio Sacramento Borges, Márcio Lemos Coutinho

Resumo


O óbito materno constitui ainda um desafio para os serviços de saúde  suas altas taxas configuram-no como um problema de saúde pública, atingindo desigualmente as regiões brasileiras. O presente trabalho objetiva realizar uma análise da tendência de mortalidade materna por causas diretas e indiretas no estado de Sergipe, no período de 2005 a 2015. Foi realizado um estudo temporal, com dados obtidos através do DATASUS (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde), SIM (Sistema de Informação de Mortalidade) e SINASC (Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos), selecionando-se o número de óbitos considerados maternos em Sergipe, independente de idade, e em seguida calculado a razão de mortalidade materna (RMM) com os dados obtidos. Diante dos resultados obtidos foi possível concluir que houve uma instabilidade no número de óbitos maternos no estado de Sergipe nesse dado período, sendo que o ano de 2009 foi o que apresentou maior número de óbitos.

 


Palavras-chave


Mortalidade Materna; Complicações na gravidez; Gestantes.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

FARIA,D.R. ; SOUSA,R.C ; COSTA,T.J.N.M.C.N; LEITE,I.C.G.; Mortalidade materna em cidade-polo de assistência na região Sudeste: tendência temporal e determinantes sociais;RevMed Minas Gerais 2012; 22(1): 1-128.

SAY, Lale et al. Global causes of maternal death: a WHO systematic analysis. The Lancet Global Health, v. 2, n. 6, p. e323-e333, 2014.

SILVA, B.G.C. ET AL.;Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regional ;REV BRAS EPIDEMIOL JUL-SET 2016; 19(3): 484-493

SOARES, Filipe Augusto de Freitas et al. Óbito materno, causalidade e estratégias de vigilância: uma revisão integrativa. 2017.

SOUZA, João Paulo. A mortalidade materna e os novos objetivos de desenvolvimento sustentável (2016–2030). Rev Bras GinecolObstet, 2015.

WHO. MATERNAL MORTALITY. Disponível em Acesso em 30 de mar. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.