OCORRÊNCIA DE CASOS DE MICROCEFALIA EM RECÉM-NASCIDOS NO ESTADO DE SERGIPE NO ANO DE 2016

TATIANE DE OLIVEIRA SANTOS, AMANDA CAMILO SILVA LEMOS LEMOS, ANA CLARA CRUZ SANTOS DE SANTANA, LOURIVÂNIA OLIVEIRA MELO PRADO

Resumo


Introdução: A infecção pelo vírus ZIKA é uma doença moderada, mas pode se manifestar severamente nos casos de síndrome do Zika congênita e síndrome de Guillain-Barré. Diante da possível associação entre a microcefalia e a infecção pelo Zika vírus (ZIKV) foi realizada uma revisão bibliográfica para observar a situação desta epidemia no Brasil, existem evidências de que o vírus seja a etiologia desta condição. Objetivos: Analisar a ocorrência de microcefalia associada ao Zika vírus em Aracaju, no ano de 2016. Metodologia: Foram realizadas pesquisas na base de dados BVS, Boletins da Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde e dados disponíveis na Sala de Apoio de Gestão Estratégica (SAGE). Foi analisado a ocorrência de casos notificados, em investigação, confirmados e descartados de microcefalia associado ao Zika vírus. Resultados: Em Sergipe, segundo os dados disponíveis na SAGE, foram investigados em 50 semanas do ano de 2016, 1171 casos suspeitos de crianças prováveis de acometimento do Zika vírus. Destes casos confirmados em Aracaju no ano de 2016, 81 óbitos foram confirmados como sendo causados pelo Zika vírus. Conclusão: Faz-se necessário a importância da prevenção junto a Atenção Básica e tratamento na Atenção Terciária em busca da redução dos casos confirmados e alterações neurológicas com riscos associados.

Palavras-chave


Microcefalia; Epidemiologia; Zika vírus

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, L. B. et al. Sinais e sintomas de zika-virus em gestantes internadas em um Hospital Público de referência da Bahia. Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 52., Maceió, 2016. Anais. Maceió: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 2016. p. 10403.

CALVET, G. et al. Detection and sequencing of Zika virus from amniotic fluid of fetuses with microcephaly in Brazil: a case study. The Lancet infectious diseases, v. 16, n. 6, p. 653-660, 2016.

DINIZ, D. Vírus Zika e mulheres. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(5):e00046316, mai, 2016.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de

microcefalia no Brasil até a Semana Epidemiológica 48. Boletim Epidemiológico Zika. Brasília (DF): Ministério da Saúde, v. 46, n. 41, 2015.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de

dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2016. Boletim Epidemiológico Zika. Brasília (DF): Ministério da Saúde, v.48, n. 3, 2017.

Ministério da Saúde. DATASUS. Disponível em: . Acesso: 30 mar 2018.

Ministério da Saúde. SAGE. Disponível em: Acesso: 05 abr 2018.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento integrado de alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus Zika e outras etiologias infecciosas, até a Semana Epidemiológica 52 de 2017. Boletim Epidemiológico Zika. Brasília (DF): Ministério da Saúde, v. 49, n. 6, 2018.

REGO, S.; PALÁCIOS, M. Ética, saúde global e a infecção pelo vírus Zika: uma visão a partir do Brasil. Revista Bioética, v. 24, n. 3, 2016.

VICTORA, C. G. et al. Microcephaly in Brazil: how to interpret reported numbers?. The Lancet, v. 387, n. 10019, p. 621-624, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.