ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE SERGIPE: uma visão dos usuários

JÉSSICA OLIVEIRA DA CUNHA, THAYNARA SILVA DOS ANJOS, MANUELLE MENEZES DE OLIVEIRA, NADYEGE PEREIRA CARDOSO, ANDREIA FREIRE DE MENEZES

Resumo


INTRODUÇÃO: Boa parte da população brasileira ainda tem sua condição clínica agravada em função das grandes filas em serviços de saúde que não adotam critério algum a não ser a ordem de chegada. OBJETIVO: Conhecer a percepção dos usuários quanto à classificação de risco de uma instituição pública de Sergipe. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal e quantitativo, com abordagens descritiva e analítica, realizado por meio de entrevista com 80 usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de um hospital público de atenção secundária em Itabaiana, Sergipe. Os dados foram coletados entre os meses de janeiro e fevereiro de 2017 e analisados no software SPSS, versão 20 para Windows. Para análise estatística foram utilizadas as técnicas univariada e bivariada e os testes Qui-quadrado e Exato de Fisher. CAAE: 62430816.1.00005546. RESULTADOS: Dentre os usuários que já haviam passado por atendimento médico na unidade hospitalar estudada (n= 72), somente 19,4% (n= 14) deles referiram conhecimento sobre o que seria a classificação de risco. O tempo de espera ≥ 1 hora para classificação foi referido por 66,3% (n= 53) dos participantes. A maioria das classificações foi realizada pelos técnicos de enfermagem (65%; n= 52) e apenas 3,8% (n= 3) da amostra total disseram ter recebido informação quanto à classificação recebida. Entretanto, ainda assim, muitos usuários mostraram-se satisfeitos com o tempo de espera, seja da sala de espera para a sala de classificação de risco (71,2%; n= 57) ou desta para o atendimento médico (51,3%; n= 41), e mais da metade classificou a qualidade do atendimento, de forma geral, como “boa” (60%; n= 48). CONCLUSÃO: Os usuários do serviço público estudado desconhecem o significado da classificação de risco na priorização dos atendimentos à saúde. Dessa forma, ressalta-se a necessidade de maior divulgação dos preceitos relacionados à classificação de risco para o público em geral.

Palavras-chave


ACOLHIMENTO; PROTOCOLOS; CUIDADOS DE ENFERMAGEM

Texto completo:

PDF

Referências


LOPES, J. B. Enfermeiro na classificação de risco em serviços de emergência: revisão integrativa. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

NEVES SILVA, M. DE F. et al. Assessment and risk classification protocol for patients in emergency units. Revista Latino-Americana De Enfermagem, v. 22, n. 2, p. 218–225, 2014.

NISHIO, E. A.; FRANCO, M. T. G. Modelo de Gestão em Enfermagem: qualidade assistencial e segurança do paciente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

OLIVEIRA, J. L. C. DE et al. Acolhimento com classificação de risco: percepções de usuários de uma unidade de pronto atendimento. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 26, n. 1, p. 1–8, 2017.

PAIVA, S. M. A. DE; GOMES, E. L. R. Assistência hospitalar: avaliação da satisfação dos usuários durante seu período de internação. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 15, n. 5, p. 973–979, 2007.

SILVA, P. L. et al. Acolhimento com classificação de risco do serviço de Pronto-Socorro Adulto: satisfação do usuário. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, n. 3, p. 427–433, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.