REFLEXO NO AUTOCUIDADO DAS MÃES DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA

Rebeca Lira Prado, Emily Santos Costa, Milena Katrine Andrade, Daniel Batista Santos, Cristiane Costa Oliveira

Resumo


Doenças crônicas como microcefalia traz inúmeras limitações na vida das crianças e seus cuidadores, nos âmbitos de qualidade de vida, saúde, lazer e estética. O objetivo deste estudo foi analisar as consequências do cuidado integral à criança na vida dos cuidadores. Este estudo é de corte transversal com abordagem quantitativa totalizando 106 mães ou cuidadores. Os resultados evidenciaram que 34,9% dos entrevistados relataram que aproveitam muito pouco à vida. Quanto a qualidade do sono 62,3% declararam estar prejudicado. Em relação a satisfação consigo mesma 39,6% mostram-se insatisfeitas e 43,4% declaram não ter tempo suficiente para a realização de suas tarefas. Conclui-se que, o ato de cuidar de crianças com microcefalia pode refletir negativamente no autocuidado de suas mães. Portanto, é de suma importância que a equipe multiprofissional crie estratégias holísticas que englobem a genitora com enfoque na minimização dos impactos relacionados às condições clínicas dos seus filhos.


Palavras-chave


Microcefalia; Doença crônica; Autocuidado; Mãe

Texto completo:

PDF

Referências


BATTIKHA, E. C; et al. As representações maternas acerca do bebê que nasce com doenças orgânicas graves. São Paulo: Psicologia: Teoria e pesquisa, v. 23, n. 1, p.17-24, jun.-mar., 2007.

BELLATO, Roseney; et al. Experiência familiar de cuidado na situação crônica. Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo: v. 50, p.81-88, nov. 2015.

ESTUDIO COLABORATIVO LATINO AMERICANO DE MALFORMACIONES CONGÉNITAS. Microcefalia no ECLAMC e no Brasil. Buenos Aires: Estúdio Colaborativo Latino Americano de Malformaciones Congénitas, 2015. Disponível em: .

GORDON-LIPKIN et al. Neurodevelopmental Outcomes in 22 Children With Microcephaly of Different Etiologies. Journal of Child Neurology. v.36, n.12, p.321-331, 2017.

PEREIRA, A. R. P. F.; et al. Análise do cuidado a partir das experiências das mães de crianças com paralisia cerebral. Saúde e Sociedade. São Paulo: v. 23, n.2, p. 616-625, 2014.

VIEIRA, A. P. R.; et al. Maternidade na adolescência e apoio familiar: Implicações no cuidado materno a criança e autocuidado no puerpério. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 12, n. 4, p. 679-687, out.-nov., 2013.

VILLAR et al. The international fetal and newborn growth consortium for the 21st century. Oxford: Lancet, 2014; v.384, p.857-868. Disponível em: < https://intergrowth21.tghn.org/site_media/media/articles/newbornsize.pdf>.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.