ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA NA PROMOÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE ATENÇÃO AO PARTO EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA

Autores

  • Nadyege Pereira Cardoso Universidade Federal de Sergipe
  • Renata Julie Porto Leite Lopes Universidade Federal de Sergipe
  • Manuelle Menezes de Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Jéssica Oliveira da Cunha Universidade Federal de Sergipe
  • Ana Dorcas de Melo Inagaki Universidade Federal de Sergipe

Palavras-chave:

Assistência à saúde. Parto humanizado. Enfermagem obstétrica

Resumo

INTRODUÇÃO: A humanização da assistência ao parto tem sido bastante discutida, nas três últimas décadas, pelos profissionais de saúde que se preocupam em oferecer uma assistência individualizada, centrada na mulher e não na tecnologia e intervenções. Percebendo, portanto, a gestante como o centro do processo, no qual ela é a protagonista e possui suas características e necessidades próprias. OBJETIVO: Identificar as boas práticas obstétricas adotadas pelos enfermeiros obstetras durante a assistência ao trabalho de parto, parto e nascimento. METODOLOGIA: Estudo descritivo, transversal, com abordagem quantitativa, realizado numa maternidade localizada no município de Aracaju. A amostra foi composta por 373 puérperas que atenderam os critérios de inclusão. Os dados foram analisados, categorizados e apresentados em tabelas e quadros. O estudo obedeceu às recomendações éticas da Resolução 466/2012 sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos da Universidade Federal de Sergipe (CEP/UFS) sob CAAE: 49380815.9.0000.5546. RESULTADOS: As boas práticas ofertadas no primeiro período clínico do parto foram o aporte calórico para uma minoria (12,1%), o uso de uso de acesso venoso periférico em 348 (93,3%) mulheres, e destes, com ocitocina sintética associada em 236 (63,3%). Durante a assistência ao parto, 51 (19,8%) mulheres necessitaram episiotomia e a posição litotômica foi adotada para a maioria dos partos vaginais, 255 (98,8%). Em relação aos métodos não farmacológicos para alivio da dor ofertados pelos enfermeiros obstetras pôde-se observar que foram utilizadas, em sua maioria, as tecnologias como banho morno em 36 (80,0%) gestantes, massagem em 28 (62,2%), bola suíça em 23 (51,1%) e 42 (93,3%) delas referiram deambular no trabalho de parto. Em relação ao tipo de parto realizado e assistência ao nascituro, o contato pele a pele foi realizado em 217 (83,8%) partos vaginais e para 314 (83,7%) recém-nascidos foi ofertado o seio materno na primeira hora de vida nos partos por enfermeiros. CONCLUSÃO: Apesar da boa vontade dos enfermeiros ainda não foi possível ofertar as boas práticas para todas parturientes, o que pode ser justificado por falta de protocolo específico que permita maior autonomia dos enfermeiros obstetras sendo a assistência ainda centrada no modelo intervencionista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-01-07

Como Citar

Pereira Cardoso, N., Porto Leite Lopes, R. J., Menezes de Oliveira, M., Oliveira da Cunha, J., & Dorcas de Melo Inagaki, A. (2019). ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA NA PROMOÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE ATENÇÃO AO PARTO EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA. 2° Congresso Nacional De Enfermagem - CONENF, 1(1). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/conenf/article/view/9406

Edição

Seção

Linha Assistencial