AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE DE GESTANTES NO INTERIOR DE SERGIPE

Autores

  • JAMYLLE CATARINA PASSOS CARREGOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
  • LUANA LIMA DE JESUS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
  • JOICE PAULA NASCIMENTO SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
  • ARIANA SILVA RIBEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
  • RENATA JARDIM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Palavras-chave:

Gestantes, Autoavaliação, Nível de Saúde.

Resumo

INTRODUÇÃO: A percepção individual sobre condição de saúde é uma medida subjetiva que compreende os fatores físicos, emocionais e nível de satisfação com a vida dos indivíduos. Por isso, a autoavaliação de saúde é um importante indicador sobre a qualidade de vida dos seres humanos e também permite avaliar a efetividade de políticas, ações e serviços de saúde. Visto que o significado de saúde é diferente para cada indivíduo e cultura, dessa maneira, o julgamento as percepções de saúde são próprias e particulares de cada pessoa. OBJETIVO: Conhecer a percepção individual das gestantes atendidas nas Unidades Básicas de Saúde sobre a sua condição de saúde em um município do interior de Sergipe. METODOLOGIA: Estudo exploratório, observacional, descritivo e quali-quantitativa realizada por meio de entrevistas semiestruturadas. A amostra foi constituída por 26 gestantes assistidas nas Unidades Básicas de Saúde de um município do interior de Sergipe. A pesquisa teve início em agosto de 2017 e irá até julho de 2018. Para o tratamento dos dados do eixo Autoavaliação de Saúde foi realizada a análise qualitativa a partir da técnica de análise temática, proposta por Minayo (2010). Os dados quantitativos foram processados por meio do software Excel (Microsoft®) e análise binária. Esta pesquisa faz parte do projeto Educar e Nascer, com aprovação pelo Comitê de Ética e Pesquisa conforme Parecer Consubstanciado nº 949.513 e 1.586.151 e atenderam a Resolução nº 466 de 2012, do Conselho Nacional de Saúde do Ministério de Saúde.  Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). RESULTADOS: Entre 26 gestantes a média de idade foi de 24 anos, com mínima 13 e máxima 38, dessas 54% era multigesta, enquanto 46% primigesta. Isto posto, 85% eram casadas e 15% solteiras. Quanto a raça/cor 81% se autodeclararam pardas, 11% brancas e 8% Preta. No que diz respeito a escolaridade 58% cursavam o ensino fundamental, 31% concluíram o ensino médio ou o cursavam e 11% concluíram ou estavam concluindo o ensino superior. Aos serviços de saneamento básico observou-se que o abastecimento de água ocorre em 81% dos casos pela rede geral de distribuição, 15% através de poços artesanais. A rua onde moram é 65% terra/cascalho e o restante é asfaltada/pavimentada (35%) do total. Sobre a variável autoavaliação de saúde 23% das entrevistadas consideraram a saúde como muito boa, 35% afirmam ser regular e boa 42% dos entrevistados. Desses, 69% relataram ter pelo menos uma comorbidade. CONCLUSÃO: Assim, não houve autoavaliação da saúde considerada como ruim pelos entrevistados desta pesquisa, mas a pesquisa demonstrou ser importante, pois a partir da percepção individual das gestantes sobre sua condição de saúde pode-se verificar a qualidade e eficácia das políticas públicas de saúde e condições de vida. Dessa maneira, faz-se necessário dar continuidade a essa investigação no sentido de melhorar as ações e promoção dos serviços de saúde de acordo com a singularidade de cada gestante.

 

Palavras-chave: Gestantes. Autoavaliação. Nível de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

JAMYLLE CATARINA PASSOS CARREGOSA, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Departamento de Enfermagem

LUANA LIMA DE JESUS, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Departamento de Enfermagem

JOICE PAULA NASCIMENTO SANTOS, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Departamento de Enfermagem

ARIANA SILVA RIBEIRO, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Departamento de Enfermagem

RENATA JARDIM, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Docente do Departamento de Educação em Saúde

Referências

SZWARCWALD, Célia Landmann et al. Determinantes sócio-demográficos da auto-avaliação da saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, supl. 1, p. 54-64, 2005.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-01-07

Como Citar

CARREGOSA, J. C. P., JESUS, L. L. D., SANTOS, J. P. N., RIBEIRO, A. S., & JARDIM, R. (2019). AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE DE GESTANTES NO INTERIOR DE SERGIPE. 2° Congresso Nacional De Enfermagem - CONENF, 1(1). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/conenf/article/view/9315

Edição

Seção

Linha Saúde Coletiva