COMPORTAMENTO TEMPORAL DA MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE EM SERGIPE DE 2010-2015.: Um estudo descritivo.

Autores

  • Lucas Correia Santos UNIVERSIDADE TIRADENTES
  • Axcel Silva Alves Universidade Tiradentes
  • Elisiane Mendes Santana Universidade Tiradentes
  • Luiz Eduardo Rezende Lima Universidade Tiradentes
  • Márcio Lemos Coutinho Universidade Tiradentes

Palavras-chave:

Mortalidade Infantil, Mortalidade Neonatal, Taxa de Mortalidade Infantil.

Resumo

Desde 1990, no Brasil, a mortalidade neonatal  constitui-se como  principal componente da mortalidade infantil, em 2010 foram registrados 11,2 óbitos por mil nascidos vivos grande parte destes ocorrendo no período neonatal precoce(0 -6 dias)(LANSKY., et al 2014). Mas, com a implantação do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento criado pelo Ministério da Saúde em 2000 houve uma notável redução na mortalidade infantil que não aconteceu de igual modo na mortalidade neonatal precoce, o objetivo deste estudo é através dos dados do DATASUS descrever o comportamento temporal da mortalidade neonatal precoce em Sergipe de 2010 à 2015. Os dados obtidos demonstraram uma linearidade no período de 2010-2012 com redução em 2013 que não se perdurou nos anos posteriores Isso chama a atenção para a necessidade de estudos mais específicos para: identificar as causas e avaliar eficácia das políticas reducionistas como a qualidade dos serviços prestados à mulher e  neonato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Correia Santos, UNIVERSIDADE TIRADENTES

Lucas Correia Santos estudante de enfermagem da universidade tiradentes 7º período

Axcel Silva Alves, Universidade Tiradentes

ESTUDANTE DO 7º PERÍODO DE ENFERMAGEM

Elisiane Mendes Santana, Universidade Tiradentes

Estudante do 7º período de enfermagem

Luiz Eduardo Rezende Lima, Universidade Tiradentes

Estudante do 7º período de enfermagem

Márcio Lemos Coutinho, Universidade Tiradentes

Orientador e Professor da Universidade Tiradentes, Doutorando em saúde coletiva

Referências

Barbosa JTC, Vettori TNB, Saldanha BL, Rocha RM, Braga ALS, Andrade M. Sisprenatal como ferramenta facilitadora da assistência à gestante: Revisão Integrativa da Literatura. Revista de Atenção à Saúde, v. 12, no 42, out./dez. 2014, p.42-47.

Brasil. IBGE. Censo Demográfico, 2010.Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/panorama. Acesso em :22/03/2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório de Situação em Sergipe. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde.Brasília-DF;2009.

Ferraz DD, Rodrigues MS, Rodrigues TS, Lima AS. Atenção Pré-natal segundo indicadores de processo do SISPRENATAL através do programa de humanização do pré natal e Nascimento. Rev Enfermagem Revista, V.16.Nº02 Maio/Ago. 2013.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, Frias PG, Cavalcante RS, CunhaAJLA.Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S192-S207, 2014.

Silva CF, Leite AJM, Almeida NMGS, Leon ACMP, OlofinI. Fatores associados ao óbito neonatal de recém nascidos de alto risco: estudo multicêntrico em Unidades Neonatais de Alto Risco no Nordeste brasileiro.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(2):355-368, fev, 2014.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Filha MMT, Costa JV, Bastos MH, Leal MC.Assistência pré-natal no Brasil. Cad.Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S85-S100, 2014.

Downloads

Publicado

2019-01-07

Como Citar

Santos, L. C., Alves, A. S., Santana, E. M., Lima, L. E. R., & Coutinho, M. L. (2019). COMPORTAMENTO TEMPORAL DA MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE EM SERGIPE DE 2010-2015.: Um estudo descritivo. 2° Congresso Nacional De Enfermagem - CONENF, 1(1). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/conenf/article/view/9296

Edição

Seção

Linha Saúde Coletiva