ADERÊNCIA DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE À HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS EM UM HOSPITAL DE ONCOLOGIA

Autores

  • SINEIDE SOUZA MAIA LINHARES UFS
  • ROSELY MOTA SANTOS UFS
  • FERNANDA CARNEIRO MELO UFS
  • ELIANA OFÉLIA LLAPA-RODRIGUEZ UFS

Palavras-chave:

Higiene das mãos, Equipe de assistência ao paciente, Segurança do paciente, Equipe de Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO: A higienização das mãos (HM) constitui uma ação simples, de impacto significativo e eficácia comprovada na prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS). Serviços de oncologia pelo tipo de clientela demandam uma maior assistência por parte dos profissionais de saúde na prevenção de IRAS. OBJETIVO: Analisar e correlacionar a aderência à higienização das mãos por profissionais que prestam assistência oncológica. METODOLOGIA: Estudo quantitativo, de corte transversal, aprovado pelo CEP segundo CAAE nº 24183113.2.0000.5546. Amostra constituída por 1397 ações de observação, durante os cinco momentos da HM segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS); ações estas, executadas por equipes multidisciplinares dos serviços de oncologia adulto e pediátrico de um hospital referência do estado de Sergipe/Brasil. A coleta ocorreu de dezembro de 2014 a dezembro de 2015, nos três turnos de trabalho, por meio de observação estruturada não participativa. O instrumento utilizado foi o formulário de observação nº 34 da OMS. A análise utilizou estatísticas descritivas e analítica (Chi-quadrado), ainda avaliada segundo o índice de positividade proposto por Carter. RESULTADOS: Das 1.397 observações, 780 (56%) foram na oncologia pediátrica e 617 (44%) na adulta. A taxa de adesão global foi de 29% (407 ações), classificada como uma assistência sofrível e indesejável. A maior taxa de adesão (38%) foi para os enfermeiros e a menor adesão (10%) para os outros profissionais. Ainda foi observada diferença estatística entre as categorias profissionais (p < 0,0001). Utilizaram água/sabão 85% (344) dos profissionais e com menor proporção o álcool-gel. Quanto aos cinco momentos, a maior adesão foi “após exposição a fluidos corpóreos” (41%) e a menor ao momento “após ambientes próximos ao paciente” (15%). CONCLUSÃO: A taxa de adesão encontra-se fora das recomendações preconizadas pela OMS, sendo avaliada como indesejável. Os enfermeiros tiveram maior adesão ao procedimento, predominou a utilização de água/sabão e o momento com maior taxa de adesão foi: “após exposição a material biológico”, traduzindo assim a preocupação do profissional com sua segurança. Diante dos resultados alerta-se para fragilidades apresentadas durante a assistência prestada ao paciente oncológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-01-07

Como Citar

LINHARES, S. S. M., SANTOS, R. M., MELO, F. C., & LLAPA-RODRIGUEZ, E. O. (2019). ADERÊNCIA DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE À HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS EM UM HOSPITAL DE ONCOLOGIA. 2° Congresso Nacional De Enfermagem - CONENF, 1(1). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/conenf/article/view/9274

Edição

Seção

Linha Gerencial