REFLEXO NO AUTOCUIDADO DAS MÃES DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA

Autores

  • Rebeca Lira Prado Universidade Tiradentes
  • Emily Santos Costa Universidade Tiradentes
  • Milena Katrine Andrade Universidade Tiradentes
  • Daniel Batista Santos Universidade Tiradentes
  • Cristiane Costa Oliveira Universidade Tiradentes

Palavras-chave:

Microcefalia, Doença crônica, Autocuidado, Mãe

Resumo

Doenças crônicas como microcefalia traz inúmeras limitações na vida das crianças e seus cuidadores, nos âmbitos de qualidade de vida, saúde, lazer e estética. O objetivo deste estudo foi analisar as consequências do cuidado integral à criança na vida dos cuidadores. Este estudo é de corte transversal com abordagem quantitativa totalizando 106 mães ou cuidadores. Os resultados evidenciaram que 34,9% dos entrevistados relataram que aproveitam muito pouco à vida. Quanto a qualidade do sono 62,3% declararam estar prejudicado. Em relação a satisfação consigo mesma 39,6% mostram-se insatisfeitas e 43,4% declaram não ter tempo suficiente para a realização de suas tarefas. Conclui-se que, o ato de cuidar de crianças com microcefalia pode refletir negativamente no autocuidado de suas mães. Portanto, é de suma importância que a equipe multiprofissional crie estratégias holísticas que englobem a genitora com enfoque na minimização dos impactos relacionados às condições clínicas dos seus filhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATTIKHA, E. C; et al. As representações maternas acerca do bebê que nasce com doenças orgânicas graves. São Paulo: Psicologia: Teoria e pesquisa, v. 23, n. 1, p.17-24, jun.-mar., 2007.

BELLATO, Roseney; et al. Experiência familiar de cuidado na situação crônica. Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo: v. 50, p.81-88, nov. 2015.

ESTUDIO COLABORATIVO LATINO AMERICANO DE MALFORMACIONES CONGÉNITAS. Microcefalia no ECLAMC e no Brasil. Buenos Aires: Estúdio Colaborativo Latino Americano de Malformaciones Congénitas, 2015. Disponível em: <http://www.eclamc.org/descargas/1. Microcefalia no ECLAMC>.

GORDON-LIPKIN et al. Neurodevelopmental Outcomes in 22 Children With Microcephaly of Different Etiologies. Journal of Child Neurology. v.36, n.12, p.321-331, 2017.

PEREIRA, A. R. P. F.; et al. Análise do cuidado a partir das experiências das mães de crianças com paralisia cerebral. Saúde e Sociedade. São Paulo: v. 23, n.2, p. 616-625, 2014.

VIEIRA, A. P. R.; et al. Maternidade na adolescência e apoio familiar: Implicações no cuidado materno a criança e autocuidado no puerpério. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 12, n. 4, p. 679-687, out.-nov., 2013.

VILLAR et al. The international fetal and newborn growth consortium for the 21st century. Oxford: Lancet, 2014; v.384, p.857-868. Disponível em: < https://intergrowth21.tghn.org/site_media/media/articles/newbornsize.pdf>.

Downloads

Publicado

2019-01-07

Como Citar

Prado, R. L., Costa, E. S., Andrade, M. K., Santos, D. B., & Oliveira, C. C. (2019). REFLEXO NO AUTOCUIDADO DAS MÃES DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA. 2° Congresso Nacional De Enfermagem - CONENF, 1(1). Recuperado de https://eventos.set.edu.br/conenf/article/view/9255

Edição

Seção

Linha Assistencial